terça-feira, 21 de agosto de 2012

Quando o seu filho inicia sua vida profissional...

Gabriel já demonstrava vontade de começar a trabalhar para ter o seu próprio dinheirinho desde os 14 anos.
Para a gente que sabe que depois que se começa a trabalhar não para nunca mais, não é fácil não sentir um aperto no coração. Porque ele não terá mais as tardes livres e porque este é mais um degrau a te mostrar que seu filho cresceu. Por outro lado (e o principal, claro) sinto um orgulho tremendo, gigante, ENORME pela iniciativa, pela força de vontade do meu eterno menino.
É fato que nunca pude (e nunca quis, por acreditar em um determinado modelo de educação) dar tudo o que a vontade dele dizia ser necessidade, e que isso o motivou a sair em busca das possibilidades que o fizessem ganhar um din din.
Eu comecei a trabalhar tarde, fato, e ao longo da vida vi meus amigos que começaram a trabalhar mais cedo muito mais amadurecidos, centrados e responsáveis. Por isso nem cogitei a idéia de bloqueá-lo nesta vontade, muito pelo contrário, dei força total.


Pensamos em menor aprendiz, porém é só a partir dos 16 anos. Trabalhar em Buffet infantil não vingou.
Eis que a mãe de uma amiga da escola dele tinha uma vaga para meio período em aberto e, sem pestanejar, lá se foi ele, meu menino.
Hoje faz uma semana que ele começou e me conta, com os olhos brilhando, sobre seus dias de trabalho.

suspiros emocionados....

Pensei muito no que dizer a ele, afinal, agora é hora de ensiná-lo como tratar o mundo coorporativo.
E eu o disse para aproveitar cada momento vago para aprender mais e mais. Mesmo que ele ache que aquilo não servirá de nada pois, eu sei que tudo, em algum momento da vida, pode ser útil. Então, questionar, questionar e questionar sem medo de ser feliz!!
Falei também sobre a fidelidade a seus colegas. O que acontece no local de trabalho, FICA no local de trabalho. A gente sabe que as vezes um "causo' contado pode virar, desnecessariamente, uma bola de neve de fofoca.
Que agora ele (mais do que nunca) deverá prestar atenção nas aulas dadas em classe, pois seu tempo de estudo diminuiu.
E o que mais frisei, porque essa geração X, Y, Z não é fácil, é que NÃO perca tempo (e se prejudique) com a internet e Facebook. A gente sabe o mal que isto pode causar pois, qual é o chefe que não sabe sobre o click de minimizar a tela quando ele chega perto, não é?!

Na verdade ainda estou meio perdida, assimilando esta nova fase pra nós.

Minha mãe está sofrendo, acho que mais que eu, pois o pentelhinho querido dela, de todas as tardes, não mais estará lá. Mas prometi que ele pode dormir na casa dela (que já é frequente) sempre que estiverem com saudade um do outro.

É estranho pegar o celular e procurar o telefone do trabalho do seu filho, é diferente, engraçado, talvez assustador. Os anos passam e só as mães que não crescem, fui obrigada a abrir os olhos e enchergar que, ao invés de dar trabalho, meu filho agora é um trabalhador.

Boa sorte, filho lindo, nessa nova jornada. Sei que você tem uma caminho brilhante e cheio de sucesso pela frente.

Deus te abençoe sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário