sexta-feira, 14 de setembro de 2012

NY 2º dia...30 junho...




Levantamos as 8h e o calor já era intenso. Deixamos um bilhete para o dono da casa nos esperar para o jantar e partimos com direção à Uptown, Manhatan mais especificamente ao Museu de História Natural. A estação de trem com o mesmo nome desemboca já no Museu, muito bacana. Muitas estações possuem obras de arte, seja na parede ou no chão tornando a viagem mais prazerosa e as plataformas menos escuras.

Chegamos antes de abrir assim como algumas outras famílias. Pontualmente as portas se abriram. Saguão maravilhoso e organização impecável. O atendente nos perguntou de qual país éramos e nos entregou um guia em Português. É, "tamo com tudo"!! Só de olhar pra complexidade do guia dava medo, mas lá fomos nós. Eu não sou muito de museus, mas céus, o que era aquilo? Lindo, mínimos detalhes, perfeição pura! Animais de todas as espécies, em tamanho natural e pinturas em 3D do seu habitat, povos antigos e suas vestimentas, alimentação, moradia. Muita novidade, quanta história.
Infelizmente não tínhamos muito tempo e passamos por cada área com um tanto de pressa. E claro: fotos, muitas fotos! Neste museu foi gravado o filme: Uma Noite no Museu, com o Ben Stiller. E é o máximo olhar pros detalhes que vimos no filme assim, ao vivo. Saímos de lá encantados e com a certeza de que, para devorar todas aquelas informações, precisaríamos de um dia inteirinho!

Na saída somos presenteados com, além do bafo quente, a vista do lindo Central Park. Preferimos, ao invés de passar no Edifício Dakota (local onde o John Lennon foi assassinado), ir para a 5ª Avenida por dentro do parque. O calor estava derretedor. O parque é lindo e enorme. Vimos aquele campo verdinho onde o pessoal toma sol até de biquini, lotado. Vimos um campo de baseball onde acontecia um jogo. Muita gente se exercitando. Carruagens levavam os turistas impossibilitados de andar tanto, com mais $$ e tempo do que nós e os mais preguiçosos para uma volta completa no parque.
Chegamos ao fim, ok, e....cadê a 5ª Avenida?? Estávamos perdidos (só pra não variar). O calor era tão grande que pensamos em almoçar no shopping só pra aproveitar o frescor. Perguntamos e perguntamos, atravessa aqui e anda ali...A 5ª AVENIDA!

Vimos aquele grande caixote transparente da Apple e entramos, só pra dizer que entramos. LOTADASSO! Estávamos travados de fome e, como não via nenhuma lanchonete à vista, propuz um hot dog (que me disseram para experimentar a qualquer custo). A qualquer custo mesmo, $4 cada um!! Seria um belisco, pois pão e salcicha estava bem longe de saciar a nossa fome (estávamos sem café da manhã, só com Gatorade). Fui surpreendida pois cachorro quente nova iorquino é realmente bom. Não sei o que, se é o sanduíche em si, o glamour do local ou a fome absurda, mas ele é diferentemente delicioso!! E com aquela mostarda e catchup Heinz, então, show!!

Entramos na Loja de Brinquedo enorme, a FAO Swarz, que estava nos meus planos por ter aquele piano gigante em que o Tom Hanks toca com os pés no filme Quero Ser Grande. A loja é linda e enorme. O Piano fica no 2º ou 3º andar, se não me engano. Meus meninos não entendiam o motivo de eu querer estar lá, homens e sua sensibilidade zero, mas eu queria e ponto final. Mas não pense que a loja é SÓ o piano, ela é toda maravilhosa e colorida, lotada de brinquedos diferentes. O piano estava lá e a fila pra brincar nele também. Precisei me realizar apenas com uma foto.

Passamos em mais algumas lojas de artigos esportivos, o marido queria uma camisa de basquete, mas as camisas dos jogadores mais conhecidos eram caras demais, $100, $200...loucura! Tiramos fotos ao lado de um boneco de tamanho REAL do jogador em questão, gente, que grande. O marido que já é alto ficou pequenino perto do gigante estático.

Voltamos para a rua e passamos pela St Patrick's Cathedral, que estava em reforma. Pouco pudemos observar. Ao entrar vimos que acontecia um casamento, engraçado, sábado -14h...cedo, né?! Mas também, ela deve ser bem disputada. Continuamos andando eis que meu adolescente preferido avista a loja que ele tanto queria encontrar, a Abercrombie. Loja lotada, luz baixa, música alta, vendedores/modelos por todos os 3 andares de loja sorriam convidativos e o peculiar cheiro do perfume que a própria loja vende. Lá dentro você perde a noção do tempo, exatamente como eles gostariam que fosse. Gabriel não sabia se olhava pras roupas ou pras meninas lindas e de roupas curtas. rsrs. A camiseta dessa loja, uma das mais caras dos lados de lá (e uma das mais batidas pelos boysinhos daqui) ainda assim perto dos nossos preços é barata, uma vergonha. - Aproveitando, é revoltante esse assunto de preços, lá é tudo BEM mais barato. Como somos roubados com as nossas taxas exageradas e sem destino certo, um absurdo.

A essa altura ou comíamos ou morríamos. A sorte é que lá o Gatorade é mais barato do que água!! Só encontramos o TGI Fridays e lá fomos nós no fresquinho do restaurante, que delícia!
Encontramos a NY Public Library, que sempre me vem na cabeça livraria, mas é a BIBLIOTECA Pública de lá. Fiquei abismada com o luxo e organização. Tudo lindo, muito mármore, lustres, quadros, estátuas...tudo! Estava esposto um concurso do Google (que eu tanto amo) onde gente do mundo todo enviou sua idéia pra logomarca da empresa (aquela que muda praticamente todo dia, no site). Tinha uma melhor que a outra, tudo muito colorido, show!! E os locais de leitura em si? ENORMES, com estantes de livros gigantescas. Demos uma volta dentro de uma das 2 salas e, ao chegar no final tinha um ser com o olho vidrado no computador, a xereta aqui deu uma bisoiada e o cara estava vendo filme pornô! Mas logo na biblioteca?? Só pude falar pros meninos depois que passamos e não é que eles queriam voltar lá pra comprovar? Não dá, né?! Ia dar muito na cara!!rs

Ouvimos umas buzinas mais insistentes, porque a prática da buzina lá é constante, e quando olhamos, o dono de uma super pick up branca estava aos berros com um motorista de uma espécie de charrete que leva os turistas pra passear mas no momento estava vazia (ufa!) e berrava, mostrava o carro e pedia pra ele parar para conversarem. Nada feito. A pickup então fechou a charretinha e desceu do carro mostrando que provavelmente ele teria acertado o carro. E falou, e falou, mas, quando o sinal abriu, o motorista do pequeno veículo fez uma conversão proibida e deu no pé e deixou o brutamonte do carro grande a ver navios.

Meu mapinha salvador nos levou até o Grand Central Terminal - que é o terminal de metrô e trens de lá (tem um prédio tão gigante do lado que pensamos ser o Empire States mas não era rs) engraçado, mas lembrando, não recordo ter visto ônibus pela cidade, só os de turismo, nem sei se existem. O que é esse terminal???? Lindo, lindíssimo. No teto dele tem pintado as constelações do zodíaco, que lindo.



Uma paradinha básica em uma loja de souvenirs pois o único pedido de mamãe foi levar algo pra ela...e tinha que ser de NYC. E pedido de mãe não é pedido, pra mim é ordem! Tá certo, foi até uma boa desculpa pra comprar coisinhas pra gente também.rs
Próximo destino: Times Square. Eu mal tenho palavras pra descrever o que é aquilo. Se o Kassab fosse prefeito de lá certamente acabaria com toda a graça do local. rs. A rua se resume a muita gente e muitos, muitos painéis de propaganda de diferentes cores e tamanhos iluminados. Você olha pro lado direito, pro esquerdo e só vê informação. É poluído, fato, mas tem a sua beleza. Tanto que foi um dos lugares que mais gostei. Ok, eu AMO uma muvuca!!rs E os personagens pela rua que cobram pra tirar foto? Gabriel, na sua (nossa) inocência, foi tirar foto com um Super Homem. O dito vira e pede, em portugês (tínhamos alguma placa no pescoço, só podia!) a gorjeta. Demos, mas não tiramos com mais nenhum! As únicas fotos desses seres engraçados que tirei foram, um de um homem magricela de maiô e tiara de Estátua da Liberdade e outro de cowboy - sarado - de sunga branca, chapéu e violão,mas ambos de costas. Gastar com isso NÃO POTTI!rs Tem 2 telas gigantescas que filmam os seres lá em baixo.


Me lembrei da bandeira do Timão que eu tinha levado na mochila e ficamos esperando a projeção começar. Buscamos a melhor imagem e....muitos cliques!! Demos muita risada e a bandeira do Corinthians saiu em um montão de fotos do mundo todo. Ouvi uma menina perguntar pro seu pai do que era aquela bandeira e o cara sabia! Vai Corinthians!!!


Entramos na loja da M&M's, da Hersheys, que delícia, muito cheiro de chocolate doce e preços salgadinhos. Uma paradinha pra compras na Aeropostale, montes de promoção, do jeitinho que eu gosto!!rs - Eu tinha planejado subirmos no Top Of Rock mas já passava das 19h e não daria mais tempo, uma pena, pois o pôr do sol alaranjado que estava, sem nenhuma nuvem, deve ter sido absurdamente maravilhoso, teremos que voltar no verão, fazer o que. hehe. Na verdade faltaram alguns lugares que eu tinha planejado. Ficam pra próxima.

Passamos no Rockeffeler Center por sorte (VIVA!! tanto cansaço que eu já tinha deixado de lado os mapinhas), onde, no inverno, existe a famosa pista de patinação no gelo. Mas no verão existe um bar. Impressionante imaginar que eles modificam tudo assim, fácil. A loja da Lego que fica lá também já estava fechada, uma pena.


Já no caminho de volta para o metrô passamos por um lindo parque pequenino, o Bryant Park, que tinha um carrosel todo iluminado. Muita gente, muitos velhinhos jogando cartas e dama, uma delícia. Na primeira estação de metrô não pudemos entrar pois ela não tinha a máquina de carregar os passes. Anda mais...na segunda tinha, compramos, mas a máquina não estava lendo o passe de ninguém. Um moço abriu a porta onde só se pode sair e todo mundo entrou. Não, ele não era brasileiro. rs - Esperamos 2 trens e nenhum tinha escrito o local que eu buscava, oh não...perguntamos e estávamos errados. Tivemos que sair da estação e andar mais. Não sentia mais minhas pernas. Chegamos na estação, não a mais fácil de se chegar ao destino, mas a primeira. Tivemos que fazer uma baldiação maluca e por sorte uma senhora iria para o mesmo lugar, se não, acho que não acharíamos jamais. Deve ser o metrô mais completo e complicado do mundo, só pode!


Enfim, chegamos em casa. Nosso amigo estava lá e nos levou até o topo do prédio para admirar a vista noturna. Vimos a ponte, o empire states, tudo iluminado, que coisa mais linda!!! Ele como bom conhecedor nos levou num lugar pertinho pra comer sanduíche de faláfel (bolinho de grão de bico frito). Que delícia, deu até água na boca de lembrar! Tá aí, comida não é uma coisa muito barata por lá. Conversando ele nos contou que o Brooklin é um bairro meio "underground", de gente alternativa. É, já tínhamos percebido.rs Voltamos pra casa pra terminar de arrumar as nossas coisas. Que triste partir assim, tão rápido. Mas era necessário pois a bagunça e alegria estavam só começando.

*A cidade é convidativa e, para quem gosta de São Paulo, lá é a cidade certa a se visitar. Movimento, barulho (os nova iorquinos buzinam até quando piscam), muitos carros e motoristas meio malucos, turistas, cheiros, cores, lojinhas, lojonas, restaurantes, Starbuks, caixas eletrônicos, barraquinhas de comidas, camelôs, eu não estava em Manhatan durante a noite/madrugada, mas tenho a nítida impressão de que, assim como aqui, ela nunca dorme como já dizia a música: "I want to wake up in a city that never sleeps". O mais legal agora é ver os inúmeros filmes rodados lá e nos lembrar de alguns cantinhos que agora já conhecemos. Se eu quero voltar? Muito! Agora! Faltaram muitos lugares para visitar, se perder e poder andar sem destino, que dizem ser o mais bacana. Enquanto isso aguardo ansiosa por esta nova oportunidade.

Um agradecimento TODO especial ao nosso querido amigo Fabiano, que nos confiou seu aconchegante apartamento mesmo não estando lá no primeiro dia, obrigada! Que Deus retribua o favor que nos fez. Foi um prazer enorme e, já sabe, conte com a gente!!




Nenhum comentário:

Postar um comentário